Make your own free website on Tripod.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Principal

 Ciclo de
 Palestras

 Corpo
 Docente

 Conteúdo
 Programático

 Horários

 Resumos
 para  Estudo

 Notícias
 Interessantes

 Links Jurídicos

 


NOTÍCIAS INTERESSANTES

Ao liberar Belo, Marco Aurélio afirma que prisão teria considerado criminalidade no RJ e não provas contra o cantor 


O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Marco Aurélio, concedeu hoje (11/7) liminar em Habeas Corpus (HC 82165), colocando em liberdade o cantor Marcelo Pires Vieira, conhecido artisticamente como Belo, preso preventivamente desde maio, no Rio de Janeiro, por suposto envolvimento com o tráfico de drogas.

No despacho, o presidente do Supremo assegura liberdade ao cantor até a apreciação de Habeas Corpus impetrado no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Belo recorreu ontem (10/7) ao STF, por lhe ter sido negada liminar naquele tribunal no dia 1º de julho, quando começou o recesso do Judiciário. 

O presidente do Supremo ressaltou, no despacho, que não há fatos que possibilitem a custódia do cantor e salienta que, de acordo com acórdão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Belo é réu primário e de bons antecedentes, sendo artista popular de grande projeção, e viu-se envolvido, por degravação de fitas cassetes, envolvido com o tráfico. 

"Assevera-se a insubsistência dos motivos da preventiva no que, de forma genérica, aludiu-se à probabilidade de existirem óbices à aplicação da lei penal, sem se descrever, todavia, dado concreto suficiente a essa conclusão", afirmou Marco Aurélio.

O ministro acentua que para que a prisão preventiva tenha lastro legal é indispensável que se demonstre, no caso concreto, com provas e não mediante de simples suposições, o enquadramento no artigo 312 do Código de Processo Penal.

Sobre a prisão preventiva do cantor, o presidente afirmou que "ao que tudo indica, considerou-se, isto sim, a lamentável quadra no Rio de Janeiro, em que traficantes, verdadeiros traficantes, assumem nos morros cariocas papel que deveria ser desempenhado pelo Estado, considerada a assistência às populações carentes e até mesmo uma certa estabilidade na vida gregária". E acrescentou: "A sociedade não aceita a situação vivida. Se isso é certo, não menos verdadeiro é o interesse na preservação dos ditames do devido processo legal, dos ditames constitucionais, sem atropelos e, portanto, sem açodamentos."

"Que se aguarde o desfecho da ação penal, a elucidação, a cargo do Ministério Público, de prática suficiente ao enquadramento nos tipos legais, alfim, a formação da culpa indispensável ao cerceio da liberdade, bem maior que, uma vez perdido, e chegando-se à absolvição, não é passível de restituição, somente restando ao prejudicado responsabilizar o Estado pelo dano sofrido. Apenas assim serão observados, ante as peculiaridades notadas em relação ao paciente, os parâmetros constitucionais, o Estado Democrático de Direito", concluiu Marco Aurélio.

Nas próximas horas serão expedidos comunicados com a decisão do presidente do Supremo ao relator do Habeas Corpus no STJ, ministro Félix Fischer, e à 34ª Vara Criminal do Rio de Janeiro.



#BB/RP/CL


Leia a íntegra da decisão:


HABEAS CORPUS N. 82.165-1 RIO DE JANEIRO


PACIENTE: MARCELO PIRES VIEIRA 
IMPETRANTES: EDUARDO VILHENA TOLEDO E OUTRO
COATOR: RELATOR DO HABEAS CORPUS Nº 22571 DO SUPERIOR TRIBUNAL 
DE JUSTIÇA 


DECISÃO


PRISÃO PREVENTIVA - EXCEPCIONALIDADE NÃO CONFIGURADA - HABEAS CORPUS - LIMINAR DEFERIDA.


1. Os advogados Eduardo Vilhena Toledo e Raphael Mattos impetraram habeas corpus em favor de Marcelo Pires Vieira, apontando como ato configurador de constrangimento o consubstanciado na negativa de concessão de liminar no Habeas Corpus nº 22.571, sob a relatoria do ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça. Em síntese, a inicial de folha 2 a 14 revela:

a) a prisão preventiva do paciente foi decretada pelo Juízo da 34ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, bem como a de outros vinte réus;

b) o paciente foi denunciado em 28 de maio de 2002, como incurso nos crimes previstos nos artigos 12, § 2º, inciso III, e 14 da Lei nº 6.368/76, e 10, § 2º, da Lei nº 9.437/97, combinado com o artigo 29 do Código Penal;

c) a denúncia envolveu vinte e um acusados;

d) correram, em separado, os Inquéritos nºs 1/2001 e 10/2002, este último a envolver o paciente;

e) a denúncia lastreou-se em degravações telefônicas;

f) deu-se o apensamento dos inquéritos, bem como a decretação conjunta das prisões;

g) o requerimento do Ministério Público assentou-se em "possibilidades abstratas e infundadas", no que concerne ao paciente;

h) ao formalizar as prisões, o Juízo teria aludido genericamente à organização criminosa, voltada ao tráfico de entorpecentes, assentando a possibilidade de os denunciados criarem sérias dificuldades no decorrer da instrução criminal, obstaculizando a aplicação da lei penal, notando-se, na cidade do Rio de Janeiro, guerra entre os traficantes, sendo que a conduta dos denunciados transparece "altamente perniciosa à sociedade, o que coloca em risco a ordem pública, pois ofende o sentimento de dignidade de qualquer cidadão, projetando induvidosamente o estado de comoção social, notadamente em relação aos que experimentaram nefasto conhecimento dos fatos";

i) em 5 de junho de 2002, o paciente apresentou-se espontaneamente ao Juízo, revelando com isso a disposição de colaborar com a Justiça e de obedecer às determinações dela emanadas;

j) a 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro indeferiu habeas corpus, adotando como razões de decidir o parecer do Ministério Público;

k) a preventiva conflita com a presunção de não-culpabilidade prevista na Carta da República;

l) no Superior Tribunal de Justiça, deu-se o indeferimento de plano da liminar em face da ausência do acórdão consubstanciador do ato de constrangimento;

m) anexada a peça, o relator, no último dia de expediente do primeiro semestre de 2002, ou seja, em 1º de julho de 2002, indeferiu a liminar. 

Assevera-se a insubsistência dos motivos da preventiva no que, de forma genérica, aludiu-se à probabilidade de existirem óbices à aplicação da lei penal, sem se descrever, todavia, dado concreto suficiente a essa conclusão. Ressalta-se a impossibilidade de ter-se, nos fatos lançados na denúncia, base para a custódia, não havendo notícia de ameaça a testemunhas, mesmo porque as arroladas pela acusação guardam a qualificação de policiais civis e militares. Quanto aos malefícios do tráfico, teria sido olvidada a atividade exercida pelo paciente, cantor popular de projeção. Articula-se com jurisprudência sobre a excepcionalidade da preventiva e requer-se, ante a circunstância de o Superior Tribunal de Justiça somente voltar a atuar em agosto próximo, a concessão de liminar, a fim de ser assegurada ao paciente a liberdade "até o julgamento final" da impetração submetida à citada Corte. Juntaram-se aos autos os documentos de folha 15 a 69. 

2. É de salientar mais uma vez, no campo simplesmente pedagógico, a impossibilidade de elegerem-se obstáculos em se tratando da ação constitucional de habeas corpus, no que voltada à preservação da liberdade. A medida é cabível quer no caso de decisão monocrática ou de colegiado, definitiva ou precária, sendo suficiente que se tenha a configuração de ato ilegal de constrangimento. Impetrações sucessivas guardam sintonia com a ordem jurídica e constitucional, podendo ocorrer até mesmo a repetição, perante idêntico órgão, do habeas. Para tanto, basta que se aponte fato não considerado na impetração anterior ou levado em conta sem a necessária análise. Assim, caso a caso, deve ser sopesada a pertinência do habeas, isso na hipótese de ataque a decisão precária e efêmera implementada, por outro Juízo, ante idêntica medida. 

Feita esta observação, em respeito a certos precedentes, constatem-se os parâmetros da espécie. Conforme consta do acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, o paciente é primário e de bons antecedentes, possuindo não só domicílio, como também atividade ensejadora do acompanhamento público. É cantor popular de projeção. Pois bem, sem notícia de qualquer ato semelhante anterior, viu-se, consoante revelado por degravação, ligado a pessoas envolvidas com o tráfico, surgindo assim denúncia a atribuir-lhe a integração à quadrilha. Em suma, contando com vida profissional de inegável sucesso, foi denunciado pelo crime de tráfico de entorpecentes, passando, em certo processo, a ombrear com outros vinte acusados. 

A prisão preventiva excepciona, é certo, a regra da presunção da não-culpabilidade. Para que isso realmente tenha lastro legal, indispensável é que se demonstre, no caso concreto, de modo cabal e não mediante simples suposições, o enquadramento no permissivo do artigo 312 do Código de Processo Penal. No caso dos autos, colocando-se os acusados - ao todo vinte e um - em vala comum, aludiu-se à integração em organização criminosa, mencionando-se a existência de "outros indivíduos não identificados". A partir dessa premissa, assentou-se que criariam os denunciados, inclusive o paciente, sérias dificuldades à boa tramitação do processo criminal, citando-se o alto grau de organização e o grande poder de corrupção e intimidação do grupo. Acrescentou-se a existência de guerra entre traficantes e o sentimento de indignidade dos cariocas. Ora, em relação ao paciente, esses fatos mostraram-se vazios, não havendo referência específica a qualquer procedimento que pudesse respaldá-los. Ao que tudo indica, considerou-se, isto sim, a lamentável quadra no Rio de Janeiro, em que traficantes, verdadeiros traficantes, assumem nos morros cariocas papel que deveria ser desempenhado pelo Estado, considerada a assistência às populações carentes e até mesmo uma certa estabilidade na vida gregária. O ato relativo à preventiva, para se tornar merecedor de endosso, deveria fazer-se ao mundo jurídico com referência a dados concretos ligados ao paciente, e isso, fora o diálogo, noticiado, por sinal, apenas na denúncia, em que teria afirmado estar disposto a receber certa quantia emprestada em arma, não aconteceu. A sociedade não aceita a situação vivida. Se isso é certo, não menos verdadeiro é o interesse na preservação dos ditames do devido processo legal, dos ditames constitucionais, sem atropelos e, portanto, sem açodamentos. O paciente viu-se envolvido no episódio e, uma vez decretada a preventiva, apresentou-se ao Juízo. Mais do que ninguém, tem interesse no esclarecimento dos fatos, sendo impróprio enquadrá-lo como de periculosidade, nivelando-o a outros acusados, como é o caso de Elias Ferreira da Silva, vulgo Elias Maluco, já com ficha penal condenável. Que se aguarde o desfecho da ação penal, a elucidação, a cargo do Ministério Público, de prática suficiente ao enquadramento nos tipos legais, alfim, a formação da culpa indispensável ao cerceio da liberdade, bem maior que, uma vez perdido, e chegando-se à absolvição, não é passível de restituição, somente restando ao prejudicado responsabilizar o Estado pelo dano sofrido. Apenas assim serão observados, ante as peculiaridades notadas em relação ao paciente, os parâmetros constitucionais, o Estado Democrático de Direito. Impõe-se, em face da paralisação do Superior Tribunal de Justiça, como ocorre com as demais Cortes Superiores no mês de julho, providência que restitua ao paciente a liberdade de ir e vir. Aliás, é tempo de se repensar, diante da grande demanda de processos, as férias coletivas do Judiciário, evitando-se que tamanha estrutura fique suspensa durante dois meses no ano, o que, sem dúvida alguma, revela-se paradoxal. É tempo de se sopesar a valia das férias individuais, dando-se continuidade, no que tange ao julgamento de processos, à atuação do Judiciário, como ocorria antes da edição da Lei Complementar nº 35, de 14 de março de 1979.

3. Defiro a liminar, para assegurar ao paciente, tal como pedido, ou seja, até a apreciação do habeas impetrado perante o Superior Tribunal de Justiça, a liberdade de ir e vir, valendo notar que o objeto desta impetração, até mesmo sob o ângulo da medida acauteladora, ficou jungido ao desfecho da impetração em curso na referida Corte e que foi autuada sob o nº 22.571.

4. Expeça-se o alvará de soltura, a ser cumprido com as cautelas legais, ou seja, caso o paciente não se encontre sob a custódia do Estado por motivo diverso do alusivo à prisão preventiva analisada e que diz respeito ao Processo nº 2001.001.142312-3, em curso na 34ª Vara Criminal do Rio de Janeiro. Alerte-se o paciente para a impossibilidade de, sem autorização do citado Juízo, deixar o distrito da culpa, devendo atender, de imediato, aos chamamentos judiciais. 

5. Publique-se.

Brasília, 11 de julho de 2002.

Ministro MARCO AURÉLIO
Presidente

 

 

 

 

 

 

 

 

Copyright © 2002 - Balico Núcleo de Estudos Jurídicos - Todos os Direitos Reservados ®