Make your own free website on Tripod.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Principal

 Ciclo de
 Palestras

 Corpo
 Docente

 Conteúdo
 Programático

 Horários

 Resumos
 para  Estudo

 Notícias
 Interessantes

 Links Jurídicos

 


NOTÍCIAS INTERESSANTES


STJ nega pedido de transferência de detento de Bangu I para outro presídio (15/10/2002)


A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça negou, em decisão unânime, o pedido de transferência para outro presídio de C.B., acusado de tráfico de entorpecentes e por esse motivo preso preventivamente em Bangu I. Segundo os ministros, o habeas-corpus não é o meio processual adequado para se discutir a necessidade de transferência de preso para outro estabelecimento.

O Ministério Público denunciou C.B. pela possível prática dos crimes previstos nos artigos 12 e 14 da Lei 6.368/76 (que trata sobre a prevenção e repressão ao tráfico ilícito de entorpecentes) e 69 do Código Penal. Diante da denúncia, em outubro de 2002, o Juízo de primeiro grau determinou a prisão preventiva do réu, que foi recolhido à Penitenciária Laércio da Costa Pellegrino, a Bangu I, de segurança máxima.

O advogado de C.B. solicitou a transferência do acusado para outro presídio. Porém o MP entrou com um requerimento para impedir a transferência afirmando que o réu faria parte do Comando Vermelho Jovem, além de ser apontado como um dos maiores exploradores do tráfico de entorpecentes de Duque de Caxias (RJ). O Juízo da Quarta Vara Criminal de Duque de Caxias acolheu o pedido do MP mantendo o réu em Bangu I.

Tentando modificar a decisão de primeiro grau e, assim, poder solicitar a transferência de C.B. para um presídio adequado para detentos de menor periculosidade. O advogado do réu entrou com um habeas-corpus no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). O defensor afirmou que o despacho do Juízo de Duque de Caxias impedindo sua transferência seria "uma intervenção indevida, de um poder estatal em outro poder estatal, visando a impedir uma determinação administrativa de competência exclusiva do Desipe do Rio de Janeiro". O TJ-RJ rejeitou o pedido. Com a decisão, o advogado de C.B. entrou com outro habeas-corpus, desta vez no STJ, reiterando o pedido de transferência de presídio.

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou parecer no habeas-corpus encaminhado ao STJ. No parecer, o MPF destacou que o réu seria "delinqüente de comprovada periculosidade, fazendo parte do temível bando de Fernandinho Beiramar, o qual comandou recentemente uma rebelião na penitenciária de Bangu I, assassinando quatro outros detentos pertencentes a um grupo rival, o que está a demonstrar que, se foram capazes de tal ato de brutalidade, dentro de um presídio de segurança máxima, coisas piores certamente farão em outro presídio qualquer".

O ministro Fernando Gonçalves negou o pedido de habeas-corpus mantendo as decisões anteriores contra a transferência do réu. Em seu voto, o relator destacou que o pedido não poderia ser entendido como uma das hipóteses previstas no artigo 648 do Código de Processo Penal. O ministro lembrou ainda precedente do STJ concluindo que "o habeas-corpus não é a via adequada para se aferir a necessidade de transferência de preso para outro estabelecimento prisional".

Elaine Rocha
(61) 319-6547

 

 

 

 

 

 

 

 

Copyright © 2002 - Balico Núcleo de Estudos Jurídicos - Todos os Direitos Reservados ®